segunda-feira, 11 de julho de 2011

JORNALISMO EM FOCO

"Nada é tão exaltante como um canteiro de obras, sobretudo se nele se constroem homens." (Célestin Freinet - educomunicador francês)


Chegou ao fim, caros leitores, a saga acadêmica em prol da graduação. Colei grau no último dia 28 e desde então sou Bacharel em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo. A defesa da monografia aconteceu no dia 17 de junho, ao lado do amigo Saulo Galtri com quem desenvolvi o trabalho “Educomunicação e Intervenção Social: análise das práticas educomunicativas do Programa Mais Educação”. A apresentação contou, obviamente, com a presença da nossa querida orientadora, a Profª Msc Josenilma Dantas e com uma banca formada pelos prezados professores Flávia Moura (UFMA) e Erick Brito (Fac São Luís) que nos assistiram atentamente e por fim fizeram observações críticas e muito construtivas sobre nosso trabalho. Obtivemos aprovação com a nota 10.

Mais antes disso tudo, não posso desprezar os eletrizantes acontecimentos que nos encaminharam a uma gratificante conclusão do curso - em um histórico rápido: mudança no projeto de pesquisa, dificuldades em obter livros, assalto à mão armada com direito à meliante invadindo a casa da orientadora durante uma reunião em que revisávamos o texto e levando nossa mono no notebook da professora, crises nervosas (minhas) com o prazo, dificuldades em campo para obter informações, entre outras coisinhas que agora parecem distantes, finalmente vencidas.


Por tudo isso, monografar foi uma das experiências mais enriquecedoras, mas também difíceis e desgastantes, que já tive. Todo o processo de produção, desde a escolha do tema, passando pelas leituras que pareciam intermináveis, as discussões sobre os rumos do trabalho, além da redação, revisão e pesquisa de campo ensinaram muito e não somente sobre o campo estudado – educomunicação – mas principalmente sobre a comunicação como interação humana capaz de nos aproximar e afastar das pessoas. Desenvolver um trabalho de conclusão de curso é testar nossa capacidade de manter o foco em um objetivo pessoal, mas que afeta diretamente todos aqueles que nos amam e se preocupam conosco, além de todas as pessoas que nos cercam.

Aprendi muito com os teóricos da comunicação, psicologia, educação e educomunicação lidos no último ano. As leituras são indispensáveis. Mas não são a única forma de desenvolver um bom trabalho e de crescer profissionalmente. O contato humano ainda é o meio mais engrandecedor de aprendizagem. Tanto no tema pesquisado quanto no cultivo dos relacionamentos. Afinal, o contato mantido com o amigo com quem desenvolvi a monografia, com a orientadora, com os entrevistados, os amigos, a família e os colegas de trabalho durante os últimos meses sofreu nítida alteração e ensinou muito sobre amor, amizade, paciência, tolerância, respeito, fé e confiança.

O contato diário com Saulo para as leituras compartilhadas e a redação da mono me incluiu na rotina de sua casa, com sua mãe e na dele em minha casa, com minha família. Foram muitos fins de semana totalmente destinados à produção, que além de importantes para o trabalho, fortaleceram a amizade com Saulo. Afinal, a gente passa a gostar mais das pessoas quando as conhece melhor por um simples motivo: o convívio e o enfrentamento de obstáculos nos ensina sobre companheirismo e torna-nos capazes de entender, respeitar e admirar as pessoas. Isso é o que há de mais bonito nas relações humanas pautadas pela comunicação saudável, que sabe que silenciar e observar também é uma forma de comunicar e absorver informações que constroem conhecimento.

Com a orientadora, tive a satisfação de contar com a voz da experiência profissional, que se dispôs a nortear todo o nosso trabalho e esteve sempre ao nosso lado, ensinando muito e abrindo nossos olhos para os percalços. Jô buscou sempre nos alertar do quão importante é saber equilibrar sonho e realidade. Sonhos para seguirmos acreditando no caminho que queremos seguir. Realidade para enxergar que nem sempre as coisas são como queremos e existem muitos deveres a serem cumpridos antes dos resultados que desejamos.

Antes que este texto se transforme em uma nova versão dos agradecimentos do TCC, gostaria apenas de dizer que a tão almejada formação profissional – principalmente em Jornalismo – só se solidifica de fato quando há uma harmonização entre nossos valores pessoais e o conhecimento específico da profissão que escolhemos. Primeiro porque precisamos acreditar em nossas escolhas para trabalhar incansavelmente em nosso ofício de formação e segundo porque o profissional que buscamos ser nada mais é do que nós mesmos – cidadãos - dando nossa contribuição às pessoas da sociedade em que vivemos e ajudamos a construir.

Com a conclusão da graduação chega ao fim um ciclo importante sim, mas que não encerra a busca por conhecimento. Pelo contrário, abre caminho para desafios maiores, cujos sonhos flutuam mais alto, ainda que sigam sutilmente ligados a um fio que os [e nos] conecta a realidade.


Ensaios em Foco - O blog não foi atualizado em junho porque todas as atenções estavam voltadas para a conclusão do curso, com a apresentação de resumo do TCC na Semana de Comunicação da UFMA, defesa pública da monografia e colação de grau.


A partir deste mês de julho, volto a postar com mais frequência, tendo prevista a atualização da coluna Futebol em Foco com Carol Rios e uma colaboração de Gildson Souza, além de uma postagem especial sobre música com direito a entrevista. Aguardem mais um pouquinho e continuem conosco!

3 comentários:

Mary Carvalho disse...

Talita, meus sinceros parabéns!
Não é todo mundo que consegue passar por essa etapa trabalhosa da graduação, e você é uma vitoriosa que merece tudo de melhor na sua vida. Espero que essa seja uma das primeiras de muitas outras conquistas que virão!

Abraços.

Eduardo Trindade disse...

Mais uma vez, meus parabéns e muito sucesso para ti, guria!

MARANHARTE disse...

Talita, parabéns pela conclusão do curso, e principalmente, pela produção de sua pesquisa acadêmica.
Ontem (15/07) foi a minha vez apresentei a mono " A intuição estética e consciência histórica em A estética da vida de Graça Aranha. Sou agora licenciado em Filosofia.
Também quero retomar as minhas atividades no Maranharte e toda a ajuda é bem vinda. Conto com vc.
Novamente, parabéns. Vc é uma jovem talentosa e disciplina ( estilísticamente falando!).
Abraços.
Flaviano