quarta-feira, 25 de julho de 2012

LITERATURA EM FOCO


Ensaios em Foco indica: “O Código dos Cavaleiros”

SCHABBACH, Leonardo. O Código dos Cavaleiros. Rio de Janeiro: Mutuus, 2011.

Um conto de cavalaria que para além da sátira aos clássicos, revela uma grande crítica à organização social pautada por aparência e construída sob o alicerce de conceitos socialmente aceitos. "O Código dos Cavaleiros", do autor carioca Leonardo Schabbach, apresenta através de uma narrativa crescente um enredo que desconstrói mitos e aponta que até mesmo na ficção a fantasia pode morar só na imaginação de um personagem mais sonhador.

Com um texto enxuto que propicia uma leitura fluente, "O Código dos Cavaleiros" rapidamente leva o leitor a embarcar na aventura de Lino, um rapazinho de família camponesa que sonha se tornar um grande cavaleiro e entrar para a história dos torneios. Impossível não sentir empatia pela ansiedade juvenil do personagem, que tem todo um plano traçado em sua mente para escapar ao destino da lida no campo vivido por sua família na roça e sair em busca de uma outra vida, cheia de glória e heroísmo. No fundo, o que Lino deseja é construir seu próprio futuro, rompendo com as imposições sociais e obtendo êxito nessa empreitada.

Para isso, a saída que o personagem encontra é a fuga de casa, ainda que com aperto no coração por deixar para trás a família que sempre lhe garantiu um lar afetuoso, mas esse sentimento de ruptura na vida de Lino não é aleatório. A partir desse ponto, é possível notar com o decorrer da história que cada passo dado pelo jovem personagem remete à vida, aos sonhos, iniciativas e escolhas que cada um de nós precisa fazer para crescer. Lino representa a passagem da ingenuidade para a maturidade conquistada via dificuldades, descobertas, desafios, decepções, mas também reafirmação de valores como perseverança e lealdade.

O mérito de “O Código dos Cavaleiros” está no excelente elo criado pelo autor entre a ficção e a realidade, amparado em um texto quase cinematográfico, dada a riqueza com que as cenas estão descritas promovendo com facilidade a visualização da história. As aventuras de Lino podem ser lidas como um conto de cavalaria com todos os ingredientes necessários para a ficção: cavaleiros, nobres, batalhas, heróis, salteadores, vitórias e derrotas, mas acima disso se estabelece como uma inteligente metáfora da sociedade fora das páginas e sua organização alimentadora de anseios ao mesmo tempo individuais e coletivos, gerados pelas histórias reproduzidas por cada geração e perseguidas como ideais que sempre estarão [e deverão estar] sujeitos a desconstruções e mudanças de olhar. Nesse ponto, sem dúvida, a história se mantém bem verdadeira e atual: os conceitos formulados desde a infância influenciam fortemente na forma como o jovem lidará com as surpresas do caminho e reconstruirá seus sonhos e conquistas. 

Nenhum comentário: